Arquivo da categoria: Memórias

CONSULADO DO SAMBA

UM BLOCO MUITAS VEZES CAMPEÃO

No final dos anos 76 cariocas e gaúchos funcionários da ELETROSUL transferidos para FLORIANÓPOLIS, após mudança da sede da Empresa do Rio de Janeiro para essa Cidade, reuniam-se nos finais de semana com alguns instrumentos de percussão mantendo suas fortes ligações com o carnaval das Escolas de Samba do RJ.

Essa roda de Samba  acontecia  na residência de NIVALDO JOÃO DOS SANTOS onde com outros amigos surgiu a ideia da criação do BLOBO CARNAVALESCO  CONSULADO DO SAMBA.

O primeiro desfile do Bloco foi no carnaval de 1977

O BLOCO  CONSULADO DO SAMBA,  desfilou com um primeiro carro alegórico em 1981, tipo tripé. Era um grande dedo, sustentando um padeiro. A partir desse ano, todos os anos o BLOCO trazia carros alegóricos.

Em 1982, o enredo  foi Samba, Futebol e Cerveja. Era ano de copa do mundo que motivou o enredo.

Em 1986 o BLOCO  transformou-se em GRÊMIO RECREATIVO ESCOLA DE SAMBA CONSULADO.

Datas confirmadas com o amigo e um dos fundadores da Escola, ANTONIO MATOS.

Com a colaboração de LUIZ FALCÃO, um dos autores do Samba enredo, aqui segue registros do desfile do  Carnaval de 1982

CURTI AÍ!

EM 1991 JOÃOSINHO TRINTA VISITOU O GRES CONSULADO

MEU MESTRE JOÃO DANDO SEU AVAL PARA O PROJETO DE ARTE EDUCAÇÃO

DO GRES CONSULADO

EM 1991 JOÃOSINHO TRINTA visita a Quadra do GRES CONSULADO no Caeira do Saco dos Limõesi, agora já coberta, se emociona e nos motiva a manter o PROJETO CAEIRA após as demonstrações das crianças e jovens que em tão pouco tempo desenvolveram seus talentos com muita descontração e alegria.

Jovens que nunca tinham tocado um instrumento de percussão, meninas negras que puderam entender a importância da dança Afro, meninos e meninas todos unidos num só CORAÇÃO!

E nesse clima de muita alegria recebi uma dedicatória do JOÃO fortalecendo minha proposta de Arte-Educação.

O GRES CONSULADO se faz presente não só na comunidade mas também na mídia que só falava das Escolas de Samba no período de carnaval. E a cidade de Florianópolis também tem a oportunidade de rever conceitos sobre as Escolas de Samba como apenas um espaço de entretenimento carnavalesco para sua grandiosidade de representatividade das comunidades onde estão inseridas e sua importância sócio cultural!

VELEU JOÃO!

ENCANTANDO AS CRIANÇAS DO CAEIRA

DONA IRACI E GRAÇA CARNEIRO ABRAÇADAS PELO GÊNIO

TRAJETÓRIA DE SUCESSO DO PROJETO SOCIAL CAEIRA 21

O PROJETO SOCIAL CAEIRA, idealizado pela Arte Educadora GRAÇA CARNEIRO, foi uma iniciativa do GRES CONSULADO e até o ano 2000 contou com parcerias de colaboradores e voluntários. A partir do ano 2000 passou a ser mantido pela Grupo de Trabalho Comunitário Catarinense – GTCC, uma Organização Social sem fins econômicos  integrante do Terceiro Setor. Com essa Instituição reconhecida de Utilidade Pública o PROJETO CAEIRA passou  a ter personalidade Jurídica para buscar patrocínios através de Convênios, Leis de Incentivos, parcerias com a iniciativa privada e os Títulos de reconhecimento de um Projeto de Educação e Cidadania. Nesta ocasião acrescentamos o NÚMERO 21 em homenagem a mudança de século (XXI), fortalecendo a nova fase. Juntam-se a equipe de coordenação Renata Carneiro Afonso e  Fernanda Carneiro Afonso  dando uma nova dimensão para as ações e atividades artísticas.

Renana Afonso bailarina Clássica  agrega sua formação na Opera de Viena e em muitos Festivais Nacionais,  a proposta de ensinar uma atividade erudita numa Quadra de Escola de Samba . Ação inédita em Florianópolis tendo como motivação o Projeto “Dançando  para não Dançar” da Bailarina Thereza Agiuilar  (1995)   na Escola de Samba Mangueira do RJ.

Fernanda estudante de Mídias Eletrônicas e atuando nos diversos movimentos Culturais da cidade em Parceira com o Pontão Ganesha de Cultura Digital, cria uma nova identidade para o CAEIRA 21 mudando sua logo representada por uma PIPA objeto de diversão e distração da maioria das crianças e jovens da comunidade do CAEIRA. Com o lema de que uma pipa precisa de uma mão que a guie o CAEIRA 21 formatou suas oficinas e eventos valorizando a história local, as contribuições dos vários “sotaques “ desse imenso Brasil e a Cultura Popular.

O PROJETO CAEIRA 21 não foi um projeto administrado pela Prefeitura de Florianópolis. Foi uma  iniciativa do GRES CONSULADO em parceria com o GTCC – Grupo de Trabalho Comunitário Catarinense, os quais o mantiveram financeiramente com apoios  técnicos, parceiras, Editais e Convênios.

O GTCC uma  organização não governamental de pessoas da cidade que trabalharam voluntariamente na busca de convênios, apoios e doações para sustentação financeira de parte do Projeto em parceria com a Escola de Samba Consulado já conhecida de todos.

O PROJETO CAEIRA 21 contemplava OFICINAS  DE ARTES, MÚSICA, TEATRO, DANÇA, CAPOEIRA, DESENHO, PINTURA, INFORMÁTICA e CIDADANIA.

As atividades artísticas e esportivas faziam o  complemento da Educação formal numa  proposta de desenvolvimento e crescimento das crianças e jovens do Caeira do Saco dos Limôes.

Como a maioria das crianças e jovens  passavam maior parte do seu dia  na quadra, era oferecido  lanches e uniformes para facilitar a vida das famílias que não podiam atender diariamente seus filhos por estarem trabalhando o dia todo.

Com uma equipe  composta por merendeira, monitora, 3 coordenadoras, instrutores de capoeira, da bateria mirim, de hip hop,  mais 5 professores cedidos pela Secretaria de Educação do Município, 3 estagiários do SESI.

A ELASE, o SESC, o IVA, o CDI, a ALQUIMÍDIA e a AAPE foram  instituições que apoiaram o  trabalho fazendo doações ou oferecendo seus equipamentos e espaços.

GENTE QUE FEZ!

GENTE QUE FAZ!

CHEGUEI CHEGANDO!

Ao ser apresentada aos Diretores do GRES CONSULADO o maior interesse da conversa era minha trajetória como integrante do Salgueiro e minha amizade com JOÃOSINHO TRINTA. Rapidamente elencada ao meu trabalho como Arte Educadora minha experiência no trabalho com Projetos Sociais nas Escolas de Samba Beija Flor e Acadêmicos de Santa Cruz no RJ.

Assim iniciei minha proposta de um Projeto Social  no GRES CONSULADO que pretendia abraçar uma comunidade, o CAEIRA do Saco dos Limões, com ações Sócio Educativas.

Planejei e apresentei uma proposta de Arte-Educação baseada na ancestralidade musical do Samba com oficinas de dança Afro, Percussão, e interpretação artística.

Assim nasce o PROJETO CAEIRA!

Na quadra de esportes descoberta muitas foram as atividade de integração com a comunidade, motivando crianças e jovens para desenvolverem seus talentos e demonstrando ao pais, Associação do Bairro e Grupos Religiosos que uma Escola de Samba é um patrimônio cultural com muitas oportunidade de EDUCAR PARA A VIDA!

MEU PRIMEIRO DESFILE “POQUE HOJE É SÁBADO”

1990 –  3º Lugar.

Momentos gratificantes que vivi com os amigos, diretores, carnavalesco e compositores na pesquisa e no desfile.

O lugar de pesquisa e encontro era o UMBU um galpão dentro da ELASE ( clube dos funcionários da Eletrosul)

Pesquisar e escrever sobre o Rio de Janeiro e Vinícius de Moraes foi de um imenso prazer.

“Carioca da gema” eu sou,   com muita participação na vida musical do RJ, frequentando os Festivais de Canções e as rodas de cantorias na Praia do Leblon onde eu morava e na PUC faculdade que eu frequentava.

Tempos de muitas amizades e de valorização da Musica Popular Brasileira.

Encontrar amigos que também compartilhavam essas canções e seus autores foi de muito fortalecimento dos elos de integração com a Diretoria e componentes do GRES CONSULADO.

Acompanhar a confecção dos carros e das FANTASIAS de cada parte do enredo relembrando as canções de Vinicius de  Morais como “Garota de Ipanema” e as Canções da coletânea Arca de Noé, me  proporcionou muitas trocas de informações e de conhecimentos.

Foi muito alegre desfilar com a VERMELHO E BRANCO DO CAEIRA!

CONSULADO ME FAZ FELIZ!

Desenho do Carro Abre Alas representando a Arca de Noé

A IMPORTÂNCIA DAS VELHAS GUARDAS DAS ESCOLAS DE SAMBA

O samba tem várias funções socializadoras, unindo pessoas e agremiações em redes sociais, promovendo a convivência da diversidade, das diferenças, das rivalidades de forma criativa  e lúdica.

A VELHA GUARDA tem importância fundamental para as Escolas e para a preservação da cultura do samba. Seus integrantes têm a missão de transmitir a história das agremiações à nova geração, mantendo vivas as tradições do Carnaval, tornando-se PATRIMÔNIO CULTURAL IMATERIAL.

Além de serem guardiãs das origens e da história das agremiações, levam o Samba além de suas comunidades com os Grupos musicais em suas apresentações nacionais e internacionais.

“Os componentes das VELHA GUARDA, já foram mestres-salas, porta-bandeiras, ritmistas e passistas entre tantas outras participaçoes. Muitos conheceram o samba ainda criança e, desde então, não largaram o ritmo. A idade pode até ser avançada, mas o amor pelo samba e pela escola não deixam o corpo parado ao toque de um pandeiro, um surdo, uma cuíca ou um tamborim.”

Os integrantes das Velhas Guardas representam a história viva da escola. Para o historiador Vinícius Natal, que pesquisa a memória das escolas de samba no Rio de Janeiro, a Velha Guarda está ligada ao respeito que as sociedades africanas possuem aos anciãos.

“O Samba é feito de histórias e é preciso conta-las!”

SALVE A VELHA GUARDA!

MUITO RESPEITO A DONA IRACI GOULART GUARDIÃ DA HISTÓRIA DO GRES CONSULADO

2021 – O ANO QUE NÃO TEVE CARNAVAL!

Muitos amigos sabem da minha trajetória de ArteEducadora nas quadras das Escolas de Samba do  Salgueiro, Acadêmicos de Santa Cruz, Beija Flor no RJ e no GRES CONSULADO em Floripa.

32 anos de Carnaval na Ilha de Santa Catarina!

Neste ano a celebração foi distante! EM CASA!

Não há motivos para comemoração em plena pandemia, com perdas definitivas de tantas vidas amigas, conhecidas, gente do mundo.

Mas celebrar é preciso!

Recordar momentos de tantas alegrias e descontração de uma  grandiosa confraternização, a mais vibrante aglomeração, Patrimônio Cultural do Brasil, o CARNAVAL.

Que possamos em breve comemorarmos com alegria o reencontro!