CARNAVALESCO CAMPEÃO

FALA RAPHAEL SOARES!

Minha história com o GRES Consulado começou antes de chegar efetivamente nela. Tudo aconteceu após o meu encontro com “Aleixo Garcia” através da escrita do Sandro Roberto de Oliveira. Eis que o destino quis unir o enredo com a escola, e assim eu chego no Caeira do Saco dos Limões. Por isso eu sempre digo, o que me levou pra escola foi o Aleixo. E vencendo as desconfianças de algumas pessoas, vencemos aquele carnaval! E quão inesquecível pra mim, mais do que meu primeiro título no carnaval em 2005, foi ouvir da Dona Iraci que, aprendeu comigo a usar prata com dourado e juntos eles davam certo. Ganhei o carnaval naquele momento.

Mais seguro comigo mesmo e definitivamente aceito na comunidade vermelha e branca, fomos buscar o Bi campeonato nas sombras da Velha Figueira, na exaltação a Praça XV.

O Tri veio com as Vinte luas de saudades de Içá Mirim… Um marco pra mim! Ajudar o Consulado a conquistar novamente um tricampeonato. Na epopeia de Savas o tetra não veio por pouco, acho que ele ficou pela Conselheiro Mafra. Mas a estrela voltou a brilhar no ano seguinte! Foi quando Macunaíma resolveu passear por Santa Catarina e encontrar os Quilombos para descobrir que a nossa raça é única! A chamada raça do amor. Questionaram esse título, tentaram nos tirar, alguns pensam que conseguiram, mas o troféu continua no Caeira.

O clima esquentou na folia da capital. Chamamos os bombeiros pra tentar arrumar as coisas. Mas a escola ficou marcada pela polêmica anterior e começou uma certa perseguição a partir de então. Joãosinho Trinta já dizia: “O povo não gosta de quem ganha muito e nem de quem perde sempre” sempre sábio o rei do Carnaval.

Nos passos de variadas danças tentamos acertar o compasso. Mas nada mudou! A perseguição continuava. Ao fim desse desfile, e após sete carnavais consecutivos, quis tentar dançar em outros palcos. E fiquei longe por 5 anos.

Voltei quando o Consulado também retornava pra elite. Depois de uma passagem pelo grupo de Acesso. E contando a história do próprio bairro, veio também um terceiro lugar com gosto de campeonato. Quebramos o estigma! Ano seguinte realizei o sonho de homenagear o meu maior ídolo na folia. E coroamos João como rei na Nego Quirido.

Até que, na simplicidade de um personagem que buscava o sentido de ter o coração no peito, conquistamos mais uma estrela para o nosso pavilhão! “Aqui encontrei o amor na raiz. Ser Consulado me faz feliz”. E o homem de lata descobriu no samba, o motivo que faz nosso coração bater.

Eis que chegamos em 2020… Depois de falar do amor, vamos falar de luta! Luta por um país com direitos iguais entre homens e mulheres. Luta por mais educação. Luta contra todos os preconceitos… Através da história de uma professora e seus “Farrapos de ideias”. Antonieta esteve presente! Antonieta estará sempre presente conosco. E agora sempre lembrada através

de um dos sambas mais lindos da história do Consulado.

Depois do amor, depois da luta… Depois de um período de trevas no mundo. Escolhi falar da alegria no próximo Carnaval. E que melhor maneira de falar de alegria, do que falando da própria história da nossa folia. Nosso Ziriguidum será em homenagem as mais de 600 mil vidas que não terão a oportunidade de viver a alegria de mais um Carnaval.

E assim vamos seguindo. Resistindo e persistindo. Pois do outro lado do túnel tem um lugar onde os sonhos se realizam. E se transformam em fantasias.

Raphael Soares é natural de Nilópolis RJ e mora em São José SC, sua mudança para o Sul aconteceu em 2003. Começou sua trajetória no Carnaval em 1997 na Escola de Samba Mocidade São Miguel, no Guarujá em Santos SP. Em 1998 e 1999 participou do carnaval em Portugal, assinando os figurinos da Claustrofolia na Cidade de Alcobaça. Aventurou-se como compositor de Samba Enredo, concorrendo nas Escolas Águia de Ouro SP, e Beija-Flor de Nilópolis RJ. Em 2001 estreou como carnavalesco na Unidos da Coloninha em Florianópolis SC onde permaneceu por quatro carnavais. Já assinou os carnavais da Acadêmicos da Barra da Tijuca e Acadêmicos do Dendê da Ilha do Governador no Rio de Janeiro. Conquistou três títulos na Escola de Samba Protegidos de São Carlos da Cidade de Lages SC. No GRES Consulado em Florianópolis, conquistou cinco títulos. Assinou os carnavais das Escolas de Samba Vai Q’Vira de Mongaguá SP, Unidos do Praião de Santos SP, Primeira da Aclimação de São Paulo SP e Independência do Jardim Casqueiro de Cubatão SP, onde conquistou quatro títulos, e Unidos dos Morros de Santos SP. Na Escola de Samba Os Protegidos da Princesa de Florianópolis SC, conquistou dois títulos. Foi carnavalesco da Escola de Samba Príncipes do Samba de Joinville SC em 2015. Participou da equipe do carnavalesco Danilo Dantas nas Escolas de Samba Barroca Zona Sul, Dragões da Vila Alpina e Colorado do Brás. Em 2017 foi carnavalesco da Mocidade Unida da Mooca. Participa do Carnaval Virtual desde 2004, onde é o atual campeão com a Imperiais do Samba. Fora do Carnaval, Raphael Soares continua envolvido com cultura, ministrando Oficinas de Teatro e de carnaval, escrevendo textos teatrais. Já foi Jurado nos Carnavais de Sombrio SC e Cruz Alta RS. Palestrou em cursos de história e moda falando da construção de enredo e figurinos de carnaval. Em 2016, foi homenageado pela Escola de Samba Jardim das Palmeiras de São José SC em sua estreia como Escola de Samba desfilando em Florianópolis, com o enredo “Raphael Soares – O Vôo do Menino Beija-Flor”. Atualmente, além do GRES Consulado, também é carnavalesco da Unidos da Cova da Onça de Uruguaiana. E está fazendo parte da Comissão Artística da Escola de Samba Dom Bosco de Itaquera SP.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s